Saúde

Câncer de mama: 6 informações que você precisa saber sobre esse tema

O câncer de mama representa 28% de todos os cânceres femininos no Brasil. Para 2020, são estimados estimadas 66.280 mil ocorrências em todo o País.

O que é câncer de mama?

O câncer de mama é o crescimento de células anormais na mama. Quanto mais cedo é descoberto maiores serão as chances de cura.

Depois do câncer de pele não melanoma, o câncer de mama é o tipo mais comum entre as mulheres, no mundo e no Brasil. O câncer de mama responde, atualmente, por cerca de 28% dos casos novos de câncer em mulheres.

1. Quais os possíveis sintomas do câncer de mama?

Sabia que existem vários tipos de câncer de mama? O mais comum é o ductal, que surge nas células dos ductos que transportam o leite até o mamilo. O segundo tipo mais frequente de câncer de mama é o lobular, que surge nos lóbulos responsáveis pela produção do leite.

Definir o tipo de câncer é fundamental no planejamento do tratamento.

2. Como prevenir o câncer de mama?

Além de manter hábitos saudáveis (dieta pobre em alimentos gordurosos, atividade física regularmente e pouca ingestão de bebidas alcoólicas) existem exames preventivos de rotina que podem ser realizados para a detecção precoce da doença.

Mamografia

Os médicos recomendam a primeira mamografia entre 30 e 35 anos. Este exame é o único capaz de detectar uma lesão cerca de cinco anos antes dela se tornar palpável.

 

Autoexame da mama

O autoexame não substitui a mamografia, porém também ajuda na detecção precoce do câncer de mama. Ele é recomendado a partir dos 20 anos de idade.

Sua periodicidade deve ser mensal. O ideal é fazer a palpação das mamas entre o quarto e o sexto dia após o fim do fluxo menstrual.

Obs.: Mulheres que não menstruam devem fixar uma data para fazer a avaliação.

3. Como fazer o autoexame em casa?

1 – Posicione-se em frente ao espelho com os braços ao longo do corpo. Olhe para suas mamas e tente identificar algo de anormal em suas aparências.

2 – Repita o procedimento com os braços levantados.

3 – Com as mãos nos quadris, observe mais uma vez se há algo diferente com seus seios.

4 – Coloque as mãos atrás da cabeça e veja o tamanho, posição e forma do mamilo.

5 – Pressione levemente o mamilo e verifique se está saindo alguma secreção.

6 – Deitada e com a barriga para cima, coloque um travesseiro embaixo de seu ombro esquerdo. Com a mão direita, examine toda a mama esquerda.

7 – Com os dedos esticados em cima do seu seio, faça movimentos circulares, fazendo uma leve pressão.

8 – Durante o banho também é possível fazer o autoexame, apalpe suas mamas e axilas a fim de identificar caroços ou alterações.

4. Fatores de risco do câncer de mama

90% dos casos de câncer de mama não possuem relação com fatores genéticos. Somente 10% são decorrentes de fatores hereditários.

Fatores ambientais e comportamentais:

  • Obesidade e sobrepeso após a menopausa;
  • Sedentarismo;
  • Consumo excessivo de bebida alcoólica;
  • Exposição frequente à radiação.

Fatores genéticos e hereditários:

  • Histórico familiar de câncer de ovário;
  • Alteração genética nos genes BRCA1 e BRCA2;
  • Histórico familiar de câncer de mama em homens;
  • Vários casos de câncer de mama na família, principalmente antes dos 50 anos.

Fatores da história reprodutiva e hormonal:

  • Primeira menstruação antes dos 12 anos de idade;
  • Não ter tido filhos;
  • Primeira gravidez após os 30 anos;
  • Não ter amamentado;
  • Parar de menstruar após os 55 anos;
  • Uso de contraceptivos hormonais;
  • Ter feito reposição hormonal pós-menopausa, principalmente por mais de cinco anos.

5. Mitos e verdades sobre o câncer de mama

Esse tipo de tumor, apesar de comum, ainda causa inúmeras dúvidas nas pessoas. Confira abaixo alguns mitos e verdades sobre o câncer de mama:

Câncer de mama só aparece em quem possui histórico familiar?

Mito. A grande maioria das pacientes que possuem câncer de mama não têm histórico familiar. Apenas 10% dos casos têm origem hereditária.

Amamentar protege contra o câncer de mama?

Verdade. A amamentação reduz o número de ciclos menstruais e, consequentemente, diminui a exposição de certos hormônios femininos que podem estar por trás do surgimento de tumores, como por exemplo, o estrógeno.

Desodorante pode causar câncer de mama?

Mito. Não existe nenhum dado científico que comprove o elo do uso de desodorante e o câncer de mama. A Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária) assegura também que não há nenhuma relação entre a substância que origina esse produto de higiene e o tumor.

Câncer de mama pode ter cura?

Verdade. Muitos fatores devem ser considerados porque cada paciente é única. O quanto antes o diagnóstico for feito maiores são as chances de cura.

6. Reconstrução Mamária

A reconstrução mamária deve ser feita de acordo com a possibilidade clínica e a preferência da mulher. A orientação, é que a cirurgia de reconstrução, prioritariamente, seja realizada na retirada da mama. No entanto, quando não houver indicação clínica para realização dos dois procedimentos ao mesmo tempo, a paciente será encaminhada para acompanhamento e terá garantida a realização da cirurgia após alcançar as condições clínicas necessárias. Essa é uma medida de segurança e bem-estar, adotada ou não conforme cada caso.

Sendo assim, cabe à equipe médica responsável pela paciente avaliar se é possível realizar os dois procedimentos no mesmo ato cirúrgico. A decisão é tomada com base em diversos fatores, como a condição da área afetada para evitar infecção ou rejeição da prótese e a vontade da própria paciente. Em alguns casos, é necessária a radioterapia ou quimioterapia antes da reconstrução mamária ser realizada.

Fonte: Ministério da Saúde

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: